NEWS

News

cidade

"NÓS NÃO SOMOS GOVERNO AQUI, SOMOS..."

No dia que o presidente da Câmara legislativa Alexandre Dias apresentaria o balanço do primeiro quadrimestre do ano, na sessão do último dia 25, a vereadora Délia Félix/PP iniciou a noite reiterando o desejo de que num futuro próximo o município possa de fato contar com a Casa de Apoio em Aracaju, um hospital funcionando regularmente e o transporte gratuito para os estudantes universitários. Num discurso tão eufórico como nunca visto, Délia estendeu a voz para cobrar também do governo mais pelo esporte, pela reforma da praça da Vaquejada e, por fim, dar apoio aos professores na luta pelo reajuste do piso salarial.


O vereador João Ramalho/DEM (foto abaixo) elogiou as cobranças da colega vereadora e aproveitando que o tema era obras, afirmou logo em seguida que a única obra inaugurada pelo antigo gestor foi a Praça da Juventude, cuja orçamento em torno de 2 milhões de reais foi uma obra mal feita ao contrário do antecessor Antônio Dória.
 
O vereador democrata ainda citou o rombo deixado pelo antigo gestor  em mais de um milhão de reais com a Caixa Econômica. Adiante, afirmou que em breve o prédio do INSS pode ser interditado pois a obra foi mal feita. Há tanta rachadura que o teto pode desabar logo. E respondendo a vereadora Délia sobre a marcação de exames, Ramalho afirmou que exames estão sendo marcados normalmente e hoje ninguém consegue marcar exame em outras clínicas porque a prefeitura não pagou. "Nós não somos governo aqui, somos representantes do povo e trazemos aqui as informações".

Sobre a falta de apoio ao esporte, João Ramalho concluiu afirmando que o Estádio Camilão tem uma dívida de mais de 280 mil reais com a Deso. E mais: o poço que foi cavado para garantir a distribuição de água para o gramado era até então do Camilão e hoje dizem que pertence a Associação Comunitária S. Sebastião.

Um outro olhar - O vereador Edson Didiu/PSB iniciou a fala em tom de desabafo . A crítica da oposição recaia sobre um projeto de lei apresentado pelo vereador do PSB que obriga o governo promover cursos de primeiros-socorros nas escolas e creches. Para João Ramalho, é inconstitucional apresentar um projeto que onere o município. Para concluir, Didiu disse que "a gente tem de olhar por todos. Por que somente olhar as elites?...Não sou contra um secretário ganhar bem, mas que mostre seu trabalho".


Balanço - Nessa noite, o presidente da Câmara Alexandre Dias (foto à esq.)  fez um balanço do quadrimestre da Casa legislativa. Entre os destaques, a obra de reforma da calçada da Casa legislativa com rampas de acesso para cadeirantes, placas de sinalização para incêndio, câmeras de segurança na área interna e externa, bicicletário, ampliação da banda larga da internet; aquisição de equipamento para transmissão das sessões ao vivo, atualização do Portal da Transparência etc.

Ele deixou claro, que as obras não eram apenas de sua alçada, outros ex-presidentes também prestaram grande serviço. No entanto, foram melhorias conquistadas com a entrada de recursos nos últimos meses. Alexandre falou ainda sobre o pagamento do funcionalismo e prestadores de serviços.
Em seguida, o líder do governo, Gilson Rosário/PMN falou para os demais, porém a conexão causou uma falha na transmissão do áudio do discurso dele e da vereadora Délia Félix, somente restaurado com a entrada da vereadora Damares Cavalcante/PMN. Ela tratou apenas do mutirão da saúde no povoado Saco do Camisa a ser realizado dias depois.


O próximo a subir a tribuna foi o vereador Rivan Francisco/Rede (foto à dir.). Ele enalteceu o trabalho do atual presidente da Câmara com o aumento de recursos do Executivo para o Legislativo. No entanto, não deixou passar limpo um fato: Alexandre esqueceu de dizer qual o valor do montante gasto com as melhorias, pois "cobram tanto do governo a transparência mas não fazem o dever de casa". E mais: citou o projeto de lei da Casa legislativa que aumenta o salário dos funcionários com a possibilidade e gratificação - o que acarretaria um aumento de 100%.

O vereador Léo de Fonsinho/PCdoB iniciou a fala lembrando outra obra grandiosa da gestão de Antônio Dória - a fábrica de calçados. "Ramalho esqueceu de falar também outra obra na gestão de Thiago Dória - a creche municipal". Na tentativa de justificar que o gestor atual deve fazer a sua parte reformando prédios, disse que "toda obra precisa de manutenção". Léo lembrou a  Ramalho que a obra da construção da escola do Lagoa do Junco também foi mal feita tanto que o ex-secretário da Educação Caduda teve de reformar.

A seguir, o líder da oposição Pedro Santos/PDT. Ele elogiou a explanação do balanço do presidente Alexandre sobre os encaminhamentos da Casa e defendeu o projeto de lei do colega Didiu diante da crítica do líder da situação Gilson sobre formar opinião sem ter conhecimento do teor do projeto. Edson Didiu seguiu o coro dando apoio incondicional a Alexandre Dias.


O próprio encerrou a noite daquela quinta-feira relembrando o desenrolar da última eleição. De antemão, agradeceu o apoio da bancada da oposição que o tornou presidente por quatro anos. Elencando um a um, inclusive da situação, terminou a sessão sem explicar a indagação de custos formulada pelo vereador Rivan Francisco.
"NÓS NÃO SOMOS GOVERNO AQUI, SOMOS..." Reviewed by Jorge Schalgter Leal on 16:49 Rating: 5

Nenhum comentário:

Direitos reservados CNNPV - Poço Verde em 1o lugar! © 2017
Desenvolvido pela agência Elo Design

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

schalgter. Tecnologia do Blogger.